Mulheres empreendedoras: conheça as histórias das donas de marcas de sucesso

Você quer empreender? Para muitas mulheres, empreender é um grande sonho, ter uma marca de sucesso!

Algumas encontram nessa forma de trabalho uma maneira de ficar mais próxima da família e acompanhar o crescimento dos filhos.

Mas há também quem queira alavancar a carreira profissional ou trabalhar em uma área que gostem.

Independente do motivo, muitas mulheres têm no setor de franquias uma excelente oportunidade de começar um negócio em uma carreira que amam.

Mas isso só é possível porque as pioneiras conseguiram enxergar oportunidades de construir um negócio sólido, observando as demandas do mercado.

Por trás de muitas marcas de sucesso do franchising há mulheres que se dedicaram, enfrentaram dificuldades e conseguiram vencer diversos obstáculos!

Hoje trouxemos histórias de fundadoras de redes de franquias para que você possa conhecer como diversas redes de franquias foram fundadas.

E olha, tem histórias surpreendentes!

Sabe quando você acha que tudo vai dar errado, mas mesmo assim não desiste? Pois é!

Algumas delas começaram com centavinhos no bolso, foram persistentes e hoje são donas de grandes franquias!

Mas não vamos dar spoilers. Confira você mesma essas histórias:

Lucilaine Lima, fundadora do Instituto Gourmet


“Em 2007, fiquei grávida e em 2008 decidi, com o nascimento dele, para ficar mais próxima, fazer doces por encomenda. Os doces passaram a fazer muito sucesso e com isso, passei a ensinar minhas vizinhas. Meu marido me orientou a alugar uma sala para lecionar e foi assim que surgiu a primeira unidade do Instituto Gourmet.

Me sinto privilegiada por poder compartilhar minha jornada e ao mesmo tempo ajudar pessoas que, como eu, precisam de alguma motivação para empreender. Minha decisão de empreender se tornou um diferencial na minha história e consegui encontrar o meu propósito de conexão com pessoas, transformando a vida de muitas delas e sendo inspiração para a trajetória de cada uma, isso não tem preço!

Para ter sucesso, o essencial é decidir em primeiro lugar, essa coragem de ir em frente, persistir, se dedicar, precisa fomentar a alma empreendedora. O resto é foco e trabalho duro, o primeiro a chegar na empresa e o último a sair por muito tempo, são treinamentos constantes para se tornar o que o ambiente te exige e é claro amar o que você faz, esse é o verdadeiro diferencial.”

 

Joyce Duarte, sócia- fundadora da Terça da Serra


“Eu decidi empreender por uma necessidade pessoal, eu precisava cuidar do meu avô, que tem diagnóstico de Alzheimer e não encontrei nada no mercado que condizia com o que ele precisava, qualidade de vida para o idoso. Com esse projeto, abriu um leque gigantesco de oportunidades e um mundo novo, de conhecimento sobre o mundo do empreendedorismo.

Sai do zero, fui aprendendo tudo aos poucos e hoje estamos com mais de 70 unidades espalhadas pelo Brasil e cuidamos de mais de 700 idosos.

O que achei mais interessante e o melhor, ajudando os amigos a empreender também com as suas franquias mostrando esse mudo de oportunidade do empreendedorismo, muitos deles não eram empreendedores se tornaram empreendedores, e excelentes empreendedores, ao entrar no projeto como franqueados.

Os desafios são muitos, um dos principais é o fato de ser mulher. Ser mulher no Brasil é muito difícil, muito desafiador, mulher sofre muito preconceito, é muito marginalizada e muitas vezes é a última a ser ouvida. Na jornada do Terça da Serra, eu como empreendedora, muitas vezes me vi em reuniões que só tinha homens, reuniões de negociação, de negócios e os homens sempre lideravam a mesa, as mulheres sempre são as últimas a serem ouvidas e nem sempre levadas a sério.

Um dado relevante é que 52% dos trabalhadores no Brasil são mulheres, menos de 30% estão em cargos de chefia, então quem domina ainda é o homem.

É realmente um desafio ser mulher no Brasil, e hoje, me sinto muito, muito honrada e orgulhosa de estar ajudando muitas mulheres a tomar o seu lugar a mesa, como empreendedoras, empresárias e franqueadas. E muitas colaboradoras em cargo de chefia tenho muito orgulho do Terça da Serra porque nele 80% dos colaboradores são mulheres.

o essencial é encarar o desafio de ser mulher no Brasil, não podemos encarar o desafio como uma trava, a mulher precisa se empoderar, precisa tomar o seu lugar a mesa, é desafiador, é, mas o desafio realmente não pode ser uma trava, você tem que se estimular com isso para chegar onde você quer chegar, porque o desafio é diário e o foco tem que ser lá na frente.”

 

Izabelly Miranda, CEO da rede Cuidare Brasil


Após se formar em enfermagem, a potiguar Izabelly Miranda, de 32 anos, decidiu empreender criando a Cuidare em 2016, em Natal, projeto que começou ainda na faculdade a partir de uma carência, percebida por ela, de serviços de cuidadores qualificados e de forma humanizada.

A empresa cresceu rapidamente e, após dois anos liderando o mercado local, Izabelly decidiu formatar a franquia da marca e dar oportunidade para outras mulheres empreendedoras – atualmente, as mulheres correspondem a 80% dos postos de liderança da rede. A marca se transformou numa das maiores redes de cuidadores do país, presente em 20 estados e no Distrito Federal, no Brasil, e em Lisboa, Portugal, com mais de 80 unidades, e operações em curso no Canadá e na Argentina.

“Sinto-me completamente realizada. Ajudar outras mulheres a transformar suas vidas compartilhando a minha vivência do dia a dia é muito gratificante. Na Cuidare, a gente trabalha muito, mas, ao mesmo tempo, conseguimos ter qualidade de vida. Isso é fundamental para nós, mulheres empreendedoras, que nos desdobramos em diferentes realidades. Saber que outras pessoas têm a mesma oportunidade que eu e poder proporcionar isso também me faz acreditar ainda mais no nosso negócio.

Para ser uma franqueadora de sucesso, em primeiro lugar, é preciso gostar de pessoas, trabalhar com muita dedicação e amor. Na hora que isso é colocado em prática, o sucesso vem como uma consequência. O amor é o segredo do negócio.”

 

Luciana Nascimento Silva Cola Sarres, diretora financeira da ATW Delivery Brands, responsável pela N1 Chicken

 

“Decidi empreender e criar junto com os demais sócios o ATW Delivery Brands (iniciando nossa primeira franquia, N1 Chicken) primeiro pelo projeto em si, os envolvidos (sócios) e o desafio de participar mais uma vez de uma Startup, porém desta vez como sócia. Porém, me deparei com muito mais! Ao ser empreendedora a dedicação mesmo muito mais puxada é muito compensadora, tenho mais liberdade para tomar decisões conseguir colocar em prática as ideias que acredito e tenho um pouco de flexibilidade com os horários, que infelizmente, poucas empresas oferecem.

Minha trajetória foi iniciada pela ideia de criar a marca e seus produtos junto aos sócios. Tivemos um longo período de criação, testes e desenvolvimento. A partir daí o empreendedorismo tomou conta do meu dia a dia até quando assumi a Gestão Financeira do grupo.

Quando vejo mulheres à frente das franquias assim como estou da franqueadora, sinto como se um dever estivesse cumprido, é significante e gratificante demais.. E o mais interessante é ver quantas de nós estão à frente e envolvidas nesse projeto! Transformar a vida destas mulheres, é inacreditável!

O sucesso de um negócio vem com inovação, engajamento, senso crítico, muito suor e principalmente atender bem nossos franqueados e colaboradores. O toque feminino faz toda diferença para o sucesso da nossa franquia.”