Mulheres contam as suas histórias como franqueadas

Cada vez mais mulheres assumem posições importantes no mercado de trabalho.

Muitas se arriscam e vão em busca de empreender e ser donas do próprio negócio.

De acordo com uma pesquisa do IBGE, cerca de 9,3 milhões de mulheres estão à frente de negócios no Brasil e representam 34% dos “donos de negócio”.

Ainda há muito espaço a ser conquistado e muitas oportunidades para empreender.

Se você é mulher, tem o sonho de empreender, mas ainda está receosa, fique calma que vamos te ajudar!

Hoje a gente separou histórias de algumas mulheres que empreenderam com franchising.

São mulheres de diversos perfis (jovens, mães, mulheres que largaram uma profissão estável para empreender ou que conciliam um emprego e uma franquia) e que investiram em diversos tipos de negócios!

Confira:

Eliene Lima, 39 anos, é franqueada em duas unidades da Terça da Serra


“Em 2017, me tornei franqueada da Terça da Serra, uma rede de franquias de residenciais sênior. Tenho duas unidades na cidade de Campinas. Antes de me tornar uma franqueada trabalhava como enfermeira em um hospital.

A proposta de negócio da Terça da Serra me chamou a atenção devido ao contexto de cuidado que a fundadora da marca tem, pensando sempre em cada detalhe para proporcionar a excelência de atendimento com os nossos idosos.

Ter o meu próprio negócio é saber que todos os dias eu não trabalho e sim posso usufruir da melhor escolha da sua vida. Quando você AMA o que faz, não existem barreiras.

Se você quer empreender, invista em seu sonho pois vale muito a pena!”

 

Amanda Araújo, 42 anos, franqueada do Yes! Idiomas


“Eu era Professora da Yes! Já trabalhava no negócio e fazia cálculos dos alunos que tinha. Eu já trabalhava numa franquia, logo para mim era tudo muito familiar. O maior benefício é ser dona do negócio e poder tomar as decisões. A maior dificuldade é muitas vezes ser a última a receber o salário. O primeiro degrau do sucesso é vencer seus medos. Sigo isso!”

 

Luciana Maria Vasconcelos Guerra, 54 anos, é franqueada do Giraffas desde 1997


“Era professora de inglês e português para estrangeiros. Minha família já operava neste ramo de franquias e fui convidada para atuar no mesmo.

Os maiores benefícios de ter uma franquia são desenvolver pessoas, oferecer produtos de excelência, trabalhar com metas e objetivos que nos desafie diariamente e um bom retorno financeiro. A franquia Giraffas nos proporciona segurança, clareza, padronização, conhecimento do negócio e desenvolvimento de pessoas e produtos de qualidade.

As dificuldades variam de acordo com o mercado financeiro, alta carga tributária, instabilidade econômica, capacitação de pessoas e falta de planejamento. Hoje enfrentamos uma maior dificuldade com a instabilidade gerada pela pandemia.”

 

Lorena Cerqueira, 43 anos, franqueada Kumon desde Agosto/2019


“Sempre fui educadora. Concluí meu tempo de trabalho em uma escola como coordenadora do núcleo de línguas.

Primeiro eu conheci o Kumon com o olhar de educadora. Mas ficava insegura para essa tomada de decisão até entender que o método de estudo da marca iria sanar uma angústia que fazia parte da minha profissão: conseguir alcançar todos os alunos com o que eu planejava e respeitando o tempo de cada um, sem impedir o seu avanço ou não sanar as dificuldades. Isso me encantou no Kumon!

Em uma franquia, você conta com uma rede de apoio que, sozinha, você não iria conseguir dar conta de tantas demandas que uma empresa exige. Somos treinados para manter um padrão e estudar sempre o projeto para dar conta da proposta sem ter que ficar criando algo que não teríamos a certeza dos resultados.

A franqueadora nos entrega isso pronto. Ela está organizada para nos oferecer o que precisamos. Somos capacitados, estimulados para que dê certo e o franqueador está sempre pensando no todo promovendo capacitações, encontros e divulgação do nome. Ter autonomia para fazer o meu horário de trabalho é algo que também me atraiu.

A maior dificuldade é arcar com a carga tributária em nosso país. Encontramos dificuldades de liderança, conhecimento de algo novo em alguns momentos. Porém, quando se escolhe uma franquia você não está sozinho. Existe uma gama de experiência e de profissionais que está disponível para te ajudar. O apoio da franqueadora é fundamental para o sucesso do negócio. Estou feliz por fazer parte da família Kumon.

Você que pretende abrir uma franquia, saiba que está investindo em algo que vai te entregar uma visibilidade de cara. Franquia é uma marca forte, que merece credibilidade. Mergulhe de cabeça para conhecer tudo que o negócio oferece e o que você precisa saber para chegar lá e ter sucesso. Independente da sua profissão na vida, é possível se tornar um franqueado de sucesso se você pensar e se empenhar para oferecer e entregar o que você está ‘vendendo’.”

 

Valdete Bezerra Gomes, 35 anos, é franqueada de duas unidades da Fast Açaí


“Sou formada em administração e pós-graduada em Gestão da Qualidade. Eu trabalhava como gerente administrativa em uma empresa no ramo de prestação de serviços no nordeste.

Saí da empresa para investir em uma franquia.

Em agosto de 2018, abri com minha irmã uma Fast Açaí. Sobre a segunda unidade, primeiro eu vi o mercado e a oportunidade de crescer.

Em uma franquia, eu vejo que o maior benefício é a questão de você poder organizar sua rotina e também tem uma segurança maior.

Se você quer ter um negócio próprio, tem que buscar e ir à luta, eu costumo dizer que a gente não tem que ter medo. Dificuldades vamos ter, mas a gente tem o retorno e o reconhecimento depois.”

 

Simone Rebelo, 45 anos, é uma multifranqueada com 7 operações da rede Nutty Bavarian


“Atuei na área de Tecnologia da Informação por aproximadamente 23 anos, em empresas de grande porte. Sendo que nos últimos 10 anos já atuava em cargos executivos.

Sempre tive um espírito empreendedor, talvez por herança do perfil do meu pai, e mesmo seguindo uma carreira tradicional, sempre me interessei por negócios de forma geral. O desejo de empreender sempre estava ali e sentia que seria o caminho futuro.

A decisão do investimento em uma franquia foi buscar reduzir os riscos da grande mudança profissional de uma carreira executiva em grandes empresas para ‘uma carreira solo’, com meu próprio negócio.

Uma franquia consistente no mercado já contém padrões estabelecidos, experiência de mercado com erros e acertos, gestão de marketing, logística, produtos, fornecedores, minimizando os riscos de um novo negócio do zero, além da ‘marca já conhecida’.

Os riscos do novo negócio ficam com a administração da operação, gestão do time, processos, financeiro, clientes e negociações com os estabelecimentos. Que também são cruciais para sucesso do negócio, porém reduz os pilares para gerenciamento de um novo negócio.

Nesta virada de chave de carreira, minhas maiores dificuldades foram lidar com as grandes mudanças de atuar em uma empresa com grandes estruturas e recursos e gerir um negócio pequeno com budget limitado, perfil de profissionais muito diferentes e tendo que resolver tudo sozinha. É ser responsável desde negociações comerciais com um estabelecimento e busca de novas oportunidades de negócio, até a verificação da dedetização do local por exemplo. São muitos pilares que compõe mesmo um pequeno negócio.

Foi bem desafiador este início, porém com o tempo e com a experiência corporativa, fui colocando em prática meu perfil de liderança, e implementando processos, negociações consistentes, liderança, por exemplo, criando uma estrutura de pessoas e processos para implementar meu plano de crescimento futuro.

Se você está indecisa sobre investir em um negócio, avalie o quanto está preparada emocionalmente para lidar com todas as pressões, problemas, riscos de um negócio próprio e muitas vezes até certo machismo ainda existente no mercado. É necessário muita resiliência neste trajeto.

Como pretende planejar seu tempo entre vida familiar, social, familiar e negócio próprio. Provavelmente, ela terá que se dedicar muito ao negócio próprio, abdicando seu tempo dos outros pilares da sua vida. A vantagem é que haverá mais flexibilidade dos horários, mas não quer dizer menos horas de trabalho.

Eu brinco que ter negócio próprio é como ter um filho. Você tem muito trabalho, preocupações, carga horária pesada, dedicação. Porém a realização, a felicidade de ver as coisas acontecendo é incrível e talvez inexplicável o sentimento.

E, além disto, você se desenvolve muito profissionalmente e pessoalmente.”

 

Miriam Frederico, 52 anos, é franqueada da N1 Chicken


“Sou formada em psicologia, mas no final do curso comecei um negócio próprio, montei uma empresa de condutores elétricos junto com meu marido, isso por 25 anos. Paralelo a isso montei um restaurante de marmitex para indústria em sociedade com um amigo porque sempre gostei do ramo alimentício.

Como meu projeto era parar a empresa e migrar para esse ramo, resolvi encarar o desafio.

Ser dona do próprio negócio é algo maravilhoso, você é independente, tem crescimento tanto financeiro quanto pessoal.

Dificuldade todo negócio tem, mas o principal é arrumar pessoas de confiança.

Para as mulheres que têm medo de encarar um negócio próprio, não tenham, sejam fortes e confiantes, somos capazes e vale muito a pena.”

 

Natalia Pereira, 34 anos, investiu em 2019 na Maria Brasileira


“Trabalhei por 10 anos no segmento de eventos de formaturas e convenções antes de investir na franquia.

Decidi investir em franquia porque o modelo de negócio se adequa ao estilo de vida que eu gostaria de ter, especialmente a flexibilidade de horário, permitindo administrar melhor meu tempo entre trabalho e vida pessoal. E também por oferecer um negócio já formatado, que tende a minimizar erros. No meu caso, que nunca havia empreendido, os quesitos segurança e suporte são muito importantes.

Pra mim, os principais benefícios de investir em franquia é ter um modelo de negócio formatado, testado no mercado e que minimiza as chances de cometer erros. Além disso, você ganha tempo ao invés de ir descobrindo os macetes do negócio no dia a dia e ainda troca experiências com outros franqueados. Isso tudo é importante, porque quando começamos a empreender, descobrimos ao longo da jornada que não temos vários conhecimentos e surgem desafios que não estamos acostumados. Muitas vezes podem custar caro, até mesmo a sobrevivência do negócio.

A minha maior dificuldade, sem dúvida, foi investir num nicho de negócio completamente diferente do que eu já atuava, o que exige muito mais dedicação. Atuar com limpeza e cuidados foi algo novo pra mim. Também foi desafiador entender que o sucesso da franquia não depende apenas do franqueador. Não podemos achar que vamos comprar uma marca e não ter problema nenhum. Vão existir desafios, por exemplo, com relação à gestão de pessoas, ao entendimento regional de onde está atuando, e que isso necessariamente não tem a ver com a marca e, sim, os desafios normais do negócio.

Se você quer investir, primeiro de tudo: tenha autoconhecimento. Entenda quais são os seus desafios como pessoa, como profissional e encare-os de frente! Invista em um negócio em que você consiga potencializar o que tem de melhor.

Não foque naquilo que você não tem. Isso você pode descobrir ao longo do caminho, pode ter apoio de um sócio ou até contratar um funcionário para suprir essa dificuldade que você tem. Também não tenha medo de errar porque isso faz parte do processo. Tenha objetivos claros e definidos, um propósito de vida sobre com o que você gosta de trabalhar ou o que te faz bem, já que a franquia permite fazer essas escolhas.

Estude, dedique-se muito e vá em frente! Para finalizar, tenha em mente que o mercado brasileiro é maravilhoso, oferece muita coisa boa pra fazer ainda, tem muito espaço para empreender, mesmo diante do momento econômico desafiador. Se fizer um trabalho sério e bem focado os resultados virão.”

 

Cristiana Hippolito Monte Alto, 50 anos, franqueada do Instituto Gourmet


“Trabalhei quase trinta anos no setor de marketing esportivo e do entretenimento. Atuei em empresas nacionais e internacionais. Também trabalhei para o governo federal, no Ministério dos Esportes. Abri minha própria consultoria de marketing e desenvolvi trabalhos no Brasil e no exterior.

Sempre tive prazer em trabalhar e queria desenvolver algo que ainda não tinha feito. Queria um novo desafio, por isso investi em uma franquia.

Acredito que o maior benefício é a possibilidade de me reinventar contando principalmente com a vontade de empreender. Sempre gostei de conquistar novos objetivos. Mas não acredito em sucesso sem trabalho em equipe. Dificuldades sempre existirão. Mas a satisfação de vencê-las é que me move. Neste momento de pandemia, diversos setores passam por dificuldades e tentam sobreviver. Mas também acredito que a dificuldade nos faz pensar, nos faz usar a criatividade, nos faz sair da zona de conforto e, consequentemente, nos faz mais fortes.

Eu diria que o momento ideal não existe, é ilusão. Eu diria que quem ousa, quem se arrisca porque acredita no sucesso do negócio não pode esperar que sempre haja sol. Chuvas e trovoadas tem sua razão de ser.”

 

Priscilla Camillo, 41 anos. Investiu na Ceofood e Ceopag em novembro de 2020

“Já atuei na área de logística e nos últimos anos estava trabalhando no segmento de alimentação e tecnologia com projetos de consultoria, planejamento de processos, auditorias, controladoria na parte financeira e em processos operacionais.

Sempre quis ter um negócio próprio, mas tinha dúvida em que área investir. Ao conhecer as oportunidades com franquias, enxerguei uma possibilidade de não começar do zero, pois a modalidade vem com modelo de negócios prontos, assim como processos de publicidade e o conhecimento de mercado. Atuando com franquia, posso contar com suporte e toda expertise do negócio, estando assim, um passo à frente nos negócios.

Além das facilidades citadas acima, os resultados alcançados como franqueadora-empreendedora são muito satisfatórios e vão além do retorno financeiro. É uma satisfação pessoal nos erros e nos acertos.

Mesmo sendo franquia, a maior dificuldade foi o medo de arriscar, pois os negócios, lugares e públicos são únicos em todo segmento. Mas não se deixe levar pelo primeiro não ou obstáculo. Para ter um negócio próprio, a todo momento precisa estar focado no objetivo, que é fazer dar certo, vender mais e não se dar por vencido pelas frustrações.

Não tenha medo e arrisque! Ao encontrar algo que você gosta, a dedicação e o entusiasmo que você tem é diferente por ser um negócio próprio. Não tem como dar errado!”

 

Ivete Farah Lelis, 40 anos, investiu na Sterna Café


“Trabalhava em uma instituição bancária na área de planejamento financeiro de recursos humanos.

A franquia, na minha opinião, tem risco e custo menores do que você empreender para criar uma marca do zero. Processos já estruturados, cardápio e identidade visual já definidos, fornecedores homologados e em pleno atendimento à rede são os itens mais importantes para o go live e que demandam muito tempo e investimento. Ao optar por uma franquia, você não terá a preocupação com os pré-operacionais, pois tudo estará implementado e em funcionamento. Seu foco será a operação da loja e continuidade do seu negócio.

Empreender no Brasil não é fácil e exige muito dinheiro. O maior benefício ao optar por uma franquia é que há um encurtamento de gastos pré-operacionais e sempre tem a quem recorrer em caso de dúvidas. E pode ter certeza, elas surgem aos montes, quando é o seu primeiro negócio!

No meu caso, a maior dificuldade foi me colocar a par de todos os procedimentos e rotinas necessárias para a operação da loja, afinal eu não venho do varejo e tive muitas dúvidas. Depois dessa etapa superada, vem a administração do caixa, onde você precisa ter um bom capital de giro nos primeiros meses para suprir os gastos da loja versus a disponibilização dos recebíveis.

Sonhar é importante, mas você precisa planejar para que um dia esse sonho se torne realidade. A etapa do planejamento é fator preponderante para dar a segurança necessária para o vôo. Se você responder Sim para as perguntas a seguir, empreenda agora! Você tem vontade de ter seu próprio negócio? Tem os recursos financeiros necessários? Já montou/analisou o DRE e ficou satisfeita com o resultado? Tem claro que o trabalho será duro e muitas vezes, aliás, quase sempre, terá que dedicar seus finais de semana ao negócio?”

 

Priscila Leite Heredia, 34 anos, é franqueada da Fini e da Sestini


“Sou proprietária de 3 unidades de negócio do franchising e atuo também há 11 anos como funcionária pública em Pernambuco.

Na juventude, aos 16 anos, ingressei no serviço público e construí minha carreira. Em meio aos livros e muitas horas de estudos e dedicação, me empenhei e mergulhei no desafio de prestar concursos para investir em uma carreira jurídica. Não foi fácil, foram muitos desafiadores e desencantos.

Até que em minhas férias em família por Salvador, conheci uma franquia da Fini e meu esposo foi o grande incentivador. ‘Por quê não?’, ele me perguntou. ‘Porque não investir em algo para você e consolidar esse sonho?’

E mesmo sem experiência em comércio, fui atrás desse desafio. Com segurança nas minhas escolhas, apoio da minha família, empenho e desejo por fazer acontecer, o sonho se realizou.

Ter o seu próprio negócio é saber duelar com as dificuldades e celebrar o progresso. É arregaçar as mangas, é estar no dia-a-dia, é participar ativamente do negócio. É vestir o avental, limpar os baleiros e estar próximo ao cliente. É conversar, é ouvir. E acima de tudo, ter uma boa gestão e tornar a organização sua melhor amiga.

Se eu pudesse definir os maiores benefícios de ser empreendedora é a oportunidade de ser ‘responsável’ por proporcionar momentos tão especiais e alegres para as famílias. Tive a oportunidade de trazer à minha cidade uma unidade da Fini, quando ainda não existia. Ver o sorriso dos clientes diante do colorido universo das balas e a evolução e maturidade dos colaboradores, que puderam realizar seus sonhos como profissionais, é motivo de orgulho e gratidão. Isso que me move todas as manhãs.

Mas, para que tudo flua da melhor maneira é preciso criar uma equipe redonda que esteja contigo afim de fazer o negócio acontecer. E para mim, essa seja uma das maiores dificuldades como gestor. É preciso formar uma equipe de colaboradores que estejam alinhados ao propósito do negócio, comprometidos e que trabalhem com o olhar e sentimento de dono.

Sempre é tempo de empoderar aquele sonho, de tirar do papel e se entregar. Não tenha medo. Ter o próprio negócio exige dedicação e com ele vem a realização, a independência. Mas também não se culpe nem se cobre, caso não atinja o nível de excelência máximo, e está tudo bem. No início a jornada é desafiadora, mas aos poucos, tudo se encaixa. Nós mulheres, somos inspiradoras, dinâmicas e juntas sabemos da nossa força. Acredite, se dedique ao negócio, se doe e organize o seu tempo, que tudo dará certo.”

 

Rebecca Cristina Gatti Stafocher é dentista e investiu na OdontoCompany


“Eu me apaixonei pela franquia desde o nosso primeiro encontro! Acho que a franqueadora te dá uma segurança maior, por ter os processos definidos, te ajuda na implantação, propaganda, entre outros.

A trajetória é repleta de obstáculos. Eu como dentista, acostumada a atender e ficar muito no operacional, tive bastante dificuldade de abandonar o posto e começar a pensar como empresária, ficar no estratégico!!! Isso para mim foi bem complicado, fora isso, temos que aprender a lidar com muitas coisas: fornecedores, bancos, entre outros, mas depois que acostuma fica mais fácil. Sair da sua zona de conforto é muito difícil, mas os resultados são maravilhosos!

Minha dica é: sempre estudar, nunca parar de aprender!”

 

Ruth Manuel Rodríguez, 28 anos, é franqueada da Escola de Moda Sigbol


“Eu cheguei para morar no Brasil em 2017, e nesse mesmo ano comecei a dar aulas de espanhol em duas escolas, uma delas era a Fisk e também dava aulas particulares.

Meu esposo e eu sempre tivemos a intenção de investir, mas como qualquer pessoa, tínhamos medo de colocar o patrimônio em risco. Então, achamos que para ser o primeiro negócio, o mais seguro seria investir em uma franquia, porque já tem uma estrutura que nos ajudaria muito para começar.

Um dos maiores benefícios de empreender é estabelecer meus próprios horários e assim ter mais “tempo livre”, porque quando somos empreendedores, muitas vezes o trabalho acontece em dias e horários fora do comum, feriados e finais de semana, por exemplo.

Empreender é toda uma experiência e eu não chamaria de dificuldade. Para mim, é um desafio, e ainda mais neste momento tão complicado que estamos vivendo, pois eu sou a responsável de que tudo funcione corretamente e que as pessoas que estão baixo minha responsabilidade se sintam seguros.

A primeira coisa, que considero a mais importante, é acreditar no seu potencial. Acho que isso é indispensável para lograr qualquer coisa que uma mulher se proponha a fazer. Precisa acreditar que é capaz e que consegue, porque ao final de contas, sempre damos um jeito, não devemos desistir de nossos sonhos nunca. E a segunda coisa é acreditar no produto ou serviço dela, porque se ela não acredita, ninguém vai acreditar. Não é fácil, mas vale a pena.”

 

Luciana de Carvalho é franqueada da Pinta Mundi Tintas


“A engenheira química Luciana, de 50 anos, pós-graduada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que trilhou carreira executiva em indústrias como a Basf, sempre quis empreender e viu na Pinta Mundi Tintas justamente a possibilidade de ter um negócio próprio, numa área que gosta de atuar, aliada à tranquilidade de conciliar outras áreas de sua vida que também merecem total atenção, como a família e a vida social.

Pesquisei várias outras redes de franquias, diferentes setores. No entanto, meu histórico nessa área de tintas e construção foi mais forte, bem como a abordagem diferenciada apresentada pela Pinta Mundi Tintas”, diz.

A franqueada escolheu o bairro de Moema, um dos mais nobres da capital paulista, para instalar sua loja. Ela foi inaugurada em outubro de 2020, com um dos mais belos projetos da rede.

“Luciana caprichou na escolha do ponto, que foi aprovado pela franqueadora, e deu seu toque especial na decoração da loja, sem fugir do padrão da rede. Tudo ficou de muito bom gosto e sabemos que os clientes terão à disposição muito conforto, atendimento técnico e diferenciado nesta loja”, avalia Shirleine Diniz, executiva responsável pela Expansão da rede.

A nova franqueada está tão animada com o trabalho e os possíveis resultados que já pensa em, um futuro próximo, abrir mais uma unidade.“Quem sabe, meu irmão torna-se sócio na nova empreitada?”, questiona-se. Focada nos resultados, a engenheira espera dar-se bem no varejo, sempre pensando no bem-estar do seu cliente e no suporte prestado pela franqueadora.

“Tenho muito a aprender com a Pinta Mundi Tintas sobre varejo, porque sempre trabalhei na indústria. Estou confiante”, diz ela. E, quando questionada sobre a atuação em um mercado considerado masculino, o de tintas, ela se diverte: “Sempre atuei nele e estou acostumada. Acho que me sinto até mais feminina!”.

 

Ariane Brants é franqueada Dr. Shape

 

Frequentadora de academia e adepta de um estilo de vida saudável, Ariane era cliente assídua da Dr. Shape, maior rede de suplementos e artigos esportivos da América Latina.

A jovem, atualmente com 28 anos, formada em Direito, trabalhava na área trabalhista, mas sempre quis empreender. Juntamente com o esposo, Reinaldo Teles, decidiu investir numa Dr. Shape bem no centro de Osasco (SP).

“Isso foi há três anos, tivemos tempo para a loja amadurecer antes da pandemia”, conta. Quando a crise chegou, foi a vez de colocar em prática o relacionamento com os clientes, conquistado durante os anos de trabalho dedicado. “Fizemos atendimentos personalizados e vendas online para manter o faturamento e saímos da crise. A loja passou 15 dias fechada, mas não tivemos grandes prejuízos por conta de nossa proximidade com os clientes”, fala. O próximo passo da empreendedora é pensar na segunda loja, para daqui a algum tempo. “Continuamos fãs da marca e dos produtos das linhas exclusivas. Temos muito apoio da franqueadora e queremos crescer com esta parceria”.

 

Leila Batista, 45 anos, há quase 8 anos já atuando na rede Gigatron


“Trabalhava como Desenvolvedora/Analista de Sistemas com foco em programação em empresas de Varejo de Roupas.

Sempre quis empreender, ter um negócio próprio, trabalhar com algo que eu gostava e que eu tivesse mais autonomia do meu tempo, como trabalhava e era formada na área de software, sempre tive este desejo de ser algo voltado a sistemas, quando conheci a Gigatron me encantei era exatamente o que eu precisava porque era na minha área de atuação, e tinha todo um respaldo de uma grande empresa, um apoio.

Eu sempre tive uma vontade de empreender, mas não tinha o perfil arrojado e que arriscava, trabalhava na área de sistemas, desenvolvimento de sistemas e queria algo que eu tivesse domínio, mas essa ‘área’ era muito maior do que eu sozinha poderia fazer, conhecer a Gigatron me trouxe isso: ter meu próprio negócio com a segurança de uma grande empresa de resguardo, com apoio, consultoria e assessoria.

Também queria ter maior controle do meu tempo, mais autonomia, maior poder de decisão, sobre quem e como prestar meus serviços.

A maior dificuldade no meu caso é a parte administrativa do negócio, como franqueada minha unidade teve um crescimento forte e não consegui por muito tempo me manter sozinha, hoje tenho colaboradores e administrar tudo isso ainda é um desafio. Outro grande desafio é continuar empreendendo, despertou em mim a veia de empreender e sempre estou procurando algo bem sucedido como a Gigatron.

Acredite no seu desejo e no seu potencial. Busque algo que te preencha, que você tenha alegria em fazer e que a faça ter vontade de querer todo dia. Não desista, que corra atrás e vá em frente, ser mulher nunca me impediu de estar em áreas dominadas por homens, inclusive no empreendedorismo.”

 

Pollyana Blanco, 40 anos, investiu em dezembro de 2017 na Constance


“Durante 15 anos fui gestora de empresas do setor privado no ramo de telecomunicações e educação.

Ter um negócio próprio sempre foi um sonho meu e do meu marido. Buscamos uma franquia por já ser um modelo de negócio com garantia de sucesso, e o knowhow foi um dos pontos mais importantes que consideramos no processo. Ou seja, que o modelo de negócio fosse efetivamente um suporte para os seus franqueados, assim como a Constance.

Para mim o maior benefício de ser empreendedora é ser dona do meu próprio negócio e ainda trabalhar com o que amo, já que posso escolher em que ramo atuar. Liberdade de gestão!

As maiores dificuldades é formar uma equipe e empreender com uma carga tributária tão alta como a que temos.

Se você quer investir, acredite no seu sonho! Esse momento é transitório, difícil, sem dúvidas, mas passa! Há todo um mercado a ser explorado, precisando de pessoas empenhadas e que querem fazer a diferença. Sempre existe a oportunidade para quem quer fazer! Eu aconselho que busquem uma empresa parceira, com valores e objetivos alinhados ao seu. E, o mais importante, escolha o que você gosta e tem afinidade, pois além do trabalho duro, a paixão e vontade de fazer acontecer são primordiais para o sucesso do negócio!”

 

Giovana Giostri, 34 anos, investiu na Jorge Bischoff em 2019


“Trabalhava como médica veterinária. Fiz especialização e mestrado em nutrição animal, mas após começar a trabalhar com varejo optei por atuar apenas nessa área.

Decidi investir em franquia pela segurança em ter uma rede de apoio e pela praticidade e organização que a franquia proporciona.

Para mim, os maiores benefícios de empreender são trabalhar com o que realmente gosto, ter a possibilidade de estar em constante aprendizado e a praticidade e autonomia de gerir minha carreira. Tenho três filhos pequenos, e a franquia me permite administrar meu negócio de perto e ainda ter tempo de me dedicar à família. Além das burocracias e altas taxas de impostos para os empresários, uma das maiores dificuldade em ter meu próprio negócio é a falta de pessoal capacitado para trabalhar no varejo. Desenvolver uma boa equipe pode ser bastante complicado e isso impacta diretamente nos resultados da unidade.

Não deixe de realizar seus sonhos. Por vezes, nós mulheres, deixamos de fazer o que gostamos e nos anulamos pela família, mas é possível administrar ambas as coisas. O mercado está sempre cheio de oportunidades, mesmo com a crise, e quando temos empenho sempre encontramos formas de fazer o que gostamos, aquilo nos realiza e nos faz feliz!”

 

Doriane de Melo Silva, 41 anos, é franqueada da Sestini


“Era bancária. A marca já tem o know-how e oferece toda uma estrutura que o empresário não teria se criasse a própria marca. Além disso, eu conheci os produtos e gosto da marca, queria investir em algo que eu pudesse me envolver e que eu gostasse.

Empreender no Brasil é difícil para todos e sempre foi, é muita burocracia, porém as vantagens superam as dificuldades. Trabalhar com o que gosto é a maior vantagem. Acredito que quem investe e se dedica consegue retorno.

Eu entendo o momento que estamos vivendo, mas que quem quer precisa fazer acontecer. Se você quer mesmo investir, que tenha coragem!”

 

Edna Caires é franqueada do Divino Fogão desde 2002


“No início, me empenhei muito, realizando cursos de aprimoramento na área de gestão, o que proporcionou conhecimentos que aumentaram a capacidade de liderança e organização. Lembro que não foram dias fáceis, porém a receita de uma trajetória inspiradora é a perseverança, superando os medos e se fortalecendo dia após dia.

Na área de alimentação, o franqueado precisa ser onipresente, além de ter disciplina, persistência e foco na gestão. É como a combinação tão querida pelos brasileiros, de arroz com feijão, ou seja, uma receita de sucesso para tantos anos de parceria. Desde sempre me vejo envolvida com a gastronomia. Quando ainda criança, brincava e aprendia os segredinhos de culinária, ensinados pacientemente pela minha mãe. Estava em meu destino empreender neste segmento.

Para finalizar, reforço que minha família sempre foi minha fonte inspiradora para seguir sempre em frente. Tenho gratidão por todos os envolvidos nesta história, sejam clientes, staff do shopping e equipe, que colaboram para a nossa permanência e sucesso, diante de todas as adversidades que estamos vivenciando.”

 

Osana Scalzer, 43 anos, franqueada da Chocolateria Brasileira desde dezembro de 2020


“Eu sou pedagoga. Há algum tempo, eu estava procurando algo para empreender, dentro do segmento de alimentação, mais especificamente no ramo de chocolates. Procurei em sites especializados no franchising e, dentre as opções, a Chocolateria Brasileira foi a que mais me atraiu, tanto pela parte visual, como pela proposta de ter uma cafeteria agregada ao negócio.

Para mim, os maiores benefícios de uma franquia são a força que a marca franqueada já tem, apoio da franqueadora quanto ao auxílio no planejamento, entre outros. Isso ajuda aqueles que como eu estão começando a empreender, porque muitas questões ainda são bem complexas e, tendo uma base de apoio de quem já está no mercado com uma marca sólida nos auxilia muito.

As dificuldades, entendo como para nós que somos da região Norte, é a questão da logística, pois isso acaba impactando no nosso lucro devido ao frete que sempre é um grande problema em todos os segmentos.

Se você quer empreender, vá em frente, pois a força da mulher dentro do mercado empreendedor é muito grande. Somos fortes, temos perspectivas e olhares diferenciados, pois a ‘delicadeza’ da mulher acaba por ajudar a ver o empreendimento de uma nova forma, colocando a sensibilidade, mas também a perspicácia dentro do negócio, e isso ajuda a impulsionar e os medos, esses sempre vem, mas temos que ser mais fortes e buscar superar sempre.”

 

Mônica Chaves Fernandes, 41 anos, investiu na Tintas MC


“Eu trabalhava em uma oficina de funilaria e pintura com meu esposo. Investi em uma franquia para trabalhar com marcas de tintas maiores e melhores.

Os maiores benefícios em ser uma empreendedora são que você possui uma maior flexibilização de horários e uma maior autonomia. Em ser uma franqueada da Tintas MC, você pode trabalhar com grandes marcas, além de todo o suporte dado pelo time da Tintas MC. Outro benefício é a ajuda na área de Marketing oferecida pela MC.

O mercado é muito volátil e o preço desleal da concorrência, o que é uma grande dificuldade. Além disso, há dificuldade na contratação de profissionais interessados.

Se você quer ter o próprio negócio, primeiramente, tenha fé! Depois, muita determinação e garra. Além disso, vista a camisa e não tenha medo da concorrência. Faça um estudo dos seus concorrentes e entenda os erros deles, para que, assim, você melhore esses fatores no seu próprio negócio!”