Franquia de moda é uma das melhores opções para quem busca negócio rentável

Considerado um dos segmentos mais rentáveis do ecossistema de franquias, as marcas de Moda têm desempenho em alta em 2022

Em meio ao contexto econômico atual e todos os desafios enfrentados na pandemia, o setor de franquias como um todo permanece em ritmo de recuperação e Moda foi um dos destaques apresentados na Pesquisa Trimestral de Desempenho do setor de franquias da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

As franquias do segmento de Moda faturaram R$ 4,819 bilhões no primeiro trimestre de 2022.

O valor representa um crescimento de 13,5% em comparação a 2021, influenciado pelo retorno do trabalho e eventos presenciais e da maior maior movimentação em shopping centers e outros locais com mais circulação de público.

De acordo com André Friedheim, presidente da ABF, “a gradual retomada das atividades presenciais tem se refletido de forma positiva no setor, principalmente nas atividades mais associadas aos pontos físicos de venda e experiências, mas as vendas digitais continuam a apresentar bom desempenho também, mostrando que as lições da pandemia com a digitalização de canais e processos se mantém”.

O setor de moda tem como característica se renovar constantemente para atender demandas e necessidades dos clientes que, por sua vez, costumam ser exigentes, pesquisam na internet antes de comprar e são engajados com as marcas com as quais se identificam, compartilhando informações nas redes sociais.

Para Ricardo Mendes, gestor de Franquias da Liz Lingerie, que atualmente conta com 33 lojas pelo Brasil, sendo 3 próprias e 30 franqueadas, e para 2022 prevê chegar a 40 lojas no País e expandir para mais 15 lojas em 2023, um dos diferenciais de uma franquia de Moda é a renovação constante, já que a necessidade de atualização dos produtos acaba sendo muito mais frequente em relação aos outros segmentos.

“Uma franquia de moda proporciona lojas menos estáticas, devido à atualização de modelos, cores, lançamentos, reformas e diferentes comunicações visuais de acordo com a sazonalidade.

Pensando nisso, todos esses fatores proporcionam ao franqueado mais chances de sucesso, uma vez que clientes que antes não eram impactados por uma falta de feat com determinado produto ou comunicação, podem passar a se interessar pelos novos serviços e possibilidades oferecidos por essa alta rotatividade”, descreve ele.

Para quem deseja ingressar como empreendedor nesse segmento, o executivo destaca que é necessário estudar bem a marca que o candidato tem interesse e o suporte que ela oferece.

“Outro fator extremamente importante é ter um pensamento racional em relação às contas e ao ponto de equilíbrio dessa operação.

Para abrir um novo negócio é necessário calcular qual será a estimativa de lucro mais aproximada possível, entendendo sempre qual o potencial e custo da loja em questão”, destaca Mendes.

De acordo com Humberto Demas, Diretor de Estratégia e Transformação do Grupo Bittencourt, as franquias de moda buscam cada vez mais interação com o consumidor oferecendo canais, novidades e novas experiências de compra.

“O consumidor tem evoluído seu modo de agir e de comprar e as marcas têm que ficar atentas a isso”, explica o especialista.

As marcas buscam constantemente essa relação mais próxima com seus clientes.

Um exemplo é o Grupo Hope, que atualmente tem mais de 237 lojas em todo Brasil, de Hope Moda Íntima, Hope Resort (praia e fitness) e Hope Duo com mix de produtos, com a meta de ter 700 lojas até 2022.

A marca ainda está presente fora do País com duas lojas no Paraguai, outra em Angola, com possibilidades de expansão em Portugal em breve.

Para André Momberg, Gerente Nacional de Expansão e Implantação da Hope, nesse ramo do varejo, principalmente o de franquias, é fundamental contar com empreendedores dispostos a realmente se dedicar ao negócio, aquele perfil “barriga no balcão”.

“Esse é o grande diferencial e o principal segredo de sucesso.

Você pode ter uma grande marca, pode ter um ponto bem localizado, mas se não estiver envolvido no negócio, gerenciando equipe de vendas, estoque, visual da loja, além de firmar parcerias, o franqueado nunca vai atingir seu potencial pleno.

Minha dica para quem pretende entrar nesse ramo é não entender a sua franquia apenas como investimento financeiro, mas sim como alternativa de trabalho ou renda que você precisa estar à frente dele”, aconselha ele.

Momberg acredita que toda franquia de moda é um negócio que sempre está sempre acompanhando tendências, por isso precisa constantemente de atualização.

“No Grupo Hope produzimos peças atemporais e ao mesmo tempo, com informação de moda.

A marca influencia muito na decisão de compra das consumidoras, então se você une em uma marca reconhecida, com um produto que as pessoas precisam, além de algo que desejam, a empresa consegue conquistar mais clientes”, afirma.

As mudanças constantes para oferecer atualização e sensação de bem-estar aos consumidores no uso dos produtos também fazem parte da estratégia de negócios do segmento de Moda, conforme explica Juliano Peltz, Diretor de Expansão da Arezzo&Co.

“O diferencial em uma franquia de moda é a dinâmica que nós temos com as coleções. Isso porque são coleções que seguem um ritmo de acordo com a estação, sendo renovadas de tempo em tempo.

Isso desperta no consumidor uma atração para voltar à loja”, afirma o executivo da marca de sapatos e acessórios, que hoje conta com mais de 800 operações no Brasil, entre franquias e lojas próprias, e que ainda em 2022 deve abrir cerca de 80 lojas, entre próprias e franquias.

Ele explica que esse ciclo de despertar de atração faz com que o público renove o acesso à loja do franqueado, cooperando para o desenvolvimento do relacionamento.

“Essa questão de relacionamento é onde mais ganhamos enquanto franquia, justamente pela ligação do franqueado com aquela determinada região, onde ele desempenha o papel de agir na ponta, através de sua gestão”, comenta Peltz.

De acordo com o executivo, o franqueado que pretende investir no segmento precisa ter discernimento de que seu negócio será algo diferente em sua gestão, tendo em vista que agora ele fará a gestão de um CNPJ e não mais de um CPF.

“Uma dica importante é que esse empreendedor tenha tempo, além da disponibilidade financeira. Ter tempo disponível é tão importante quanto ter uma bagagem necessária de conhecimento sobre aquele segmento”, completa.